Odontologia do Trabalho e a Interdisciplinaridade da Saúde do Trabalhador

Dra Athina Bamihas e Dra. Maria Cristina Rocha Dias Lima

Uma das características da Revolução Industrial era o homem a serviço das máquinas. O colaborador ficava exposto a constantes riscos, enfrentando caldeiras, engrenagens mutiladoras e outros, sem que tivessem proteção e treinamento adequados. Entretanto, a indústria da época dependia dos resultados desses colaboradores, que por sua vez, dependiam das atividades operacionais, fazendo com isso, que os gerenciadores começassem a pensar sobre o bem estar do trabalhador como fator importante na produtividade da máquina e do próprio colaborador. Com isso, foi havendo a mudança de visão e começou a preocupação com a saúde do homem no trabalho, através da Medicina, da Enfermagem, da Engenharia de Segurança, da Psicologia e, posteriormente, da Fisioterapia e, atualmente, da Odontologia, cujo objetivo é agregar esforços às demais especialidades nos cuidados com a segurança, saúde e meio ambiente do trabalho.

A Odontologia do Trabalho é tão importante na empresa quanto as demais ciências da Saúde e Segurança do Trabalhador, pois a saúde começa pela boca, uma vez que esta é a porta de entrada dos alimentos e das doenças.

A evolução da humanidade expõe necessidades impostas pelo mercado altamente competitivo e crescente, exige profissionais multidisciplinares voltados para as áreas de gestão de serviços, produtos e pessoas, além do domínio de conhecimentos gerais das ciências da saúde. A Odontologia do Trabalho, portanto não fica restrita às atividades técnicas de execução assistencial, amplia suas ações com a integração às áreas afins da saúde do trabalhador.

A Odontologia do Trabalho visa promover, preservar e reparar a saúde do trabalhador consequente de agravos, afecções ou doenças adquiridas do exercício profissional  que se manifestam na boca e  no complexo maxilomandibular. Sem sombra de duvida, é verdade que grande proporção das doenças ocupacionais tem elevado índice de manifestações bucais, motivo pelo qual o Cirurgião Dentista do Trabalho deve estar preparado para diagnosticá-las, juntamente com o médico do trabalho e toda a equipe de saúde ocupacional.

“Das muitas vantagens de se prover ou facilitar a atenção odontológica a trabalhadores, observa-se, predominantemente, a melhora de seu bem estar físico, mental e social, o que provoca, como resultado, um significativo aumento do estímulo e da satisfação laboral, com a consequente redução do absenteísmo e  aumento da produtividade.  Mazzilli 2003”

Como função do Cirurgião Dentista do Trabalho no segmento ocupacional, podemos definir que suas atividades visam, essencialmente, propiciar a promoção, a proteção e preservação da saúde bucal do trabalhador. Entre as várias atribuições do especialista neste campo, podemos citar: a participação nos estudos realizados pela equipe multidisciplinar entre as quais:

  • participar de grupos que realizem inquéritos sanitários;

  • estudar as possíveis causas odontológicas que levam ao absenteísmo;

  • fazer levantamentos das doenças ocupacionais que envolvem o complexo maxilomandibular;

  • proceder estudos epidemiológicos e

  • coletar dados estatísticos de morbidade bucal dos trabalhadores, investigando, assim, possíveis relações com a atividade laboral;

  • manter cadastro atualizado, a fim de preparar informes legais e orientar ações e disposições sobre não-conformidades e não-adequações encontradas;

  • elaborar e executar plano e programas de promoção e proteção à saúde bucal dos empregados, buscando a eliminação, a diminuição ou o controle dos riscos existentes à saúde bucal no ambiente de trabalho, informando aos empregados e empregadores sobre os resultados obtidos, bem como as medidas necessárias para o seu controle;

  • realizar exame admissional, periódico, retorno ao trabalho, mudança de função e demissional.

O Cirurgião Dentista do Trabalho contribui para diminuir os problemas de saúde no ambiente corporativo, promovendo e mantendo o estado de saúde e bem-estar do trabalhador, sob os aspectos sociais, psicossomáticos que inibem e conduzem a traumas de efeitos diversos no complexo maxilomandibular. Pretende, ainda, protegê-lo no seu emprego, contra os riscos resultantes da presença de agentes físicos, químicos, mecânicos e biológicos prejudiciais à sua saúde.

Levantamentos e projetos realizados pela equipe multiprofissional (médico, cirurgião-dentista, engenheiro, enfermeiro e áreas afins) apresentam as possíveis causas que levam o absenteísmo; diagnosticando, prevenindo as doenças ocupacionais, lesões traumáticas que levam à estigmas, compatibilizando o empregado ao posto de trabalho através dos exames ocupacionais.

Os problemas bucais são identificados de acordo com o grau de risco, definido como sendo uma ou mais condições de uma variável, com potencial necessário para causar danos. Esses danos podem ser entendidos como lesões a pessoas, perda de material em processo ou redução da capacidade de desempenho de uma função predeterminada.

Exemplos:

*  Grau 1 Verde, riscos físicos: ruídos, vibrações, frio e calor  observam-se alterações das Articulações Temporo Mandibulares – ATM e lesões nos lábios, sangramento gengival.

*  Grau 2 Vermelho, riscos químicos: poeira, fumos, névoas, gases observam-se alterações de cor, desgaste e perda mineral dos dentes, gengivite, periodontite, osteomielite, necrose, xerostomia.

 *  Grau 3 Marrom, riscos biológicos: vírus, bactérias, protozoários, fungos, bacilos observam-se  lesões de cárie, gengivite e periodontite.

 *  Grau 4 Amarelo, riscos ergonômicos: esforço físico intenso, controle rígido de produtividade, imposição de ritmos excessivos, jornadas de trabalho prolongadas, monotonia e repetitividade observam-se prevalência de bruxismo, progressão da doença periodontal.

*  Grau 5 Azul, riscos de acidentes: arranjo físico inadequado, máquinas e equipamentos sem proteção, iluminação inadequada, eletricidade  observam-se hemorragia da gengiva, xerostomia.

Observados os agravos e doenças bucais através dos exames ocupacionais, os trabalhadores são encaminhados e orientados sobre o tratamento específico com as respectivas especialidades odontológicas correlacionadas à doença previamente diagnosticada.

Ressaltamos que a Odontologia através da sua especificidade – Saúde Bucal do Trabalhador está inserida na interdisciplinaridade da saúde, segurança e meio ambiente do trabalho.

Publicado no OFM em focoOrtopedia Funcional dos Maxilares –  Publicação da ABOM – Associação Brasileira de Ortopedia dos Maxilares, Rio de janeiro, setembro 2010.